12% Off na loja toda! Exceto em lançamentos! Cupom: JOGA12
Brasileirão 2022: Vista a Camisa

CRUZEIRO
ESPORTE CLUBE

Bem-vindo ao almanaque do torcedor cruzeirense. Um dos maiores clubes do país, primeiro hexa campeão da Copa do Brasil e único clube a conquistar a tríplice coroa nacional. Conheça a história, a evolução, os uniformes mais marcantes do clube, ídolos e muito mais na página dos fanáticos pela Raposa.

História

O Palestra Itália

A história do Cruzeiro Esporte Clube, começou em 1921, idealizada por desportistas de uma colônia italiana, e assim como outros clubes que foram fundados por colonizadores italianos, o clube se chamava Palestra Itália, mais precisamente Societá Sportiva Palestra Itália.

As cores da jovem raposa eram da bandeira italiana: verde, vermelho e branco. Em 1942 com a segunda guerra mundial, os clubes e entidades que remetiam a Itália foram proibidos pelo decreto do governo federal.

No primeiro jogo após a proibição de Getúlio Vargas, o time entrou em campo com uma camisa azul e três listras brancas horizontais, sem escudo com um nome provisório de Palestra Mineiro.

Com a necessidade de um nome para o clube, a diretoria se reuniu no dia 02 de outubro de 1942 para tomar a decisão da mudança. O presidente Ennes Ciro Pony sugeriu que o clube se chamasse Ypiranga, uma referência ao local onde foi declarada a independência do Brasil. No entanto, os jornais da cidade começaram a divulgar a mudança como se o nome tivesse sido declarado.

O conselho do clube manteve o profissionalismo, aprovando a mudança do nome como definitivo, como também as cores do uniforme.

Então surge o Cruzeiro Esporte Clube, uma homenagem ao símbolo da pátria nacional. Logo também, os uniformes do Cruzeiro foram substituídos, tornando-se azul e branco, referenciando as cores do uniforme da Itália.

O uniforme celeste do Cruzeiro foi estreado apenas em 1943. O jogo de estreia foi um amistoso contra o São Cristóvão - RJ, no dia 14 de fevereiro.

História

A raposa,
o famoso mascote do Cruzeiro

O cartunista Mangabeira, foi o responsável pela criação do mascote do Cruzeiro, como também o do seu principal rival, o Atlético MG.

A escolha veio tempo depois da definição do nome Cruzeiro, exatamente em 1945. O cartunista deu vida a raposa inspirado pelo ex-presidente Mário Grosso, no qual era conhecido por antecipar as contratações, tirando da mão do Atlético MG, uma verdadeira raposa.

A ideia caiu na graça da torcida, que até hoje leva a raposa como identidade do clube. Em 2003, com a conquista da tríplice coroa, o Cruzeiro levou a raposa para o campo transformando-a em "algo vivo", animando a torcida e se tornando cada vez mais xodó dos cruzeirenses.

História

A reforma do Estadinho JK

Construído em 1923, três anos depois do Palestra Itália, foi criado o estádio barro preto. Com arquibancadas de madeira e com suas limitações. Em 1945, o 'estadinho' passou por uma grande reforma, no qual foram colocados bancos de cimento, vestiários e tribunas cobertas. A sua capacidade era de 12 mil pessoas. Na época, os jogadores do clube ajudaram na obra .

Outra grande mudança foi o nome do estádio para Juscelino Kubitschek, no qual o ex-presidente do Brasil era um fanático torcedor cruzeirense.

O jogo de reestreia foi no dia 1º de julho contra o Botafogo, a partida ficou 1x1. O clássico que estreou os refletores no estádio.

História

O Mineirão

O estádio foi um divisor de águas, tanto para o Cruzeiro, quanto para os outros clubes do estado, colocando o futebol de Minas Gerais em outro patamar no Brasil. O primeiro jogo no estádio, foi à final do campeonato mineiro de 1965 (ano de inauguração). Um jogo tenso e cheio de confusões e mais um título para o Cruzeiro.

O Mineirão foi tão importante para o clube, que nos primeiros anos do novo estádio, a Celeste conquistou cinco campeonatos Mineiros seguidos, de 1965 a 1969 e o título da Taça Brasil (campeonato Brasileiro) em cima do Santos de Pelé.

História

O hino do cruzeiro

O hino cruzeirense foi composto pelo maestro Jair Ambrósio em 1965. O hino possui 80 palavras, distribuída em 16 frases. O compositor levou 15 minutos para compor a canção, e logo a foi aprovado pela diretoria cruzeirense.

História

A Toca da Raposa

A Toca da Raposa foi construída em 1963, foi primeiro centro de treinamento exclusivo de um clube de futebol no Brasil.

História

1976- A primeira Libertadores
do Cruzeiro

O ano de 1976 ficou marcado na história do Cruzeiro e pela torcida celeste com a primeira conquista da Libertadores da América. A final foi exatamente no dia 30 de julho de 1976, jogo contra o River Plate- ARG. Foi um jogo de três partidas.

A primeira partida foi no Mineirão com vitória por 4x1 da Celeste, sendo a primeira derrota do time argentino. Tudo encaminhado para o título, mas o jogo no Monumental de Núñez, o River ganhou por 2x1. O grande terceiro jogo foi no Chile. A partida ficou marcada com um inesquecível gol do Joãozinho aos 88.

Neste ano, infelizmente um dos seus principais jogadores faleceu em um acidente de carro, o eterno atacante Roberto Batata. O acontecimento foi motivo de tristeza com motivação para o resto da campanha na Libertadores, fortalecendo os jogadores ao título.

História

Década de ouro: título do
Cruzeiro nos anos 90

Após a geração de 80 não levar tantos títulos para Raposa, a década seguinte veio para colocar o Cruzeiro em outro patamar no futebol Brasileiro. A boa fase do clube percorreu até o começo dos anos 2000, foram impressionantes 15 anos vencendo pelo menos um título por ano (1990-2004).

Títulos marcantes do Cruzeiro de 1990-2004
  • Supercopas da Libertadores (1991 e 1992),
  • Recopa Sul-Americana (1998)
  • Copas do Brasil (1993, 1996, 2000 e 2003)
  • Copa Ouro (1995)
  • Copa Master da Supercopa (1995)
  • Copas Sul-Minas (2001 e 2002)
  • Campeonatos Mineiros (1990, 1992, 1994, 1996, 1997, 1998, 2003 e 2004)
  • Copa Centro-Oeste (1999)
  • Copa dos Campeões Mineiros (1991 e 1999)
  • Supercampeonato Mineiro (2002)
  • Taça Libertadores da América (1997)
  • Campeonato Brasileiro de (2003)

História

A Tríplice coroa do Cruzeiro

Em 2003 a Raposa fez um feito histórico, onde o time comandado por Vanderlei Luxemburgo conquistou: Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e o primeiro Campeonato Brasileiro de pontos corridos.

O Campeonato Mineiro daquela edição, foi disputada por pontos corridos. O principal jogo foi o clássico entre o Cruzeiro e Atlético MG. O jogo foi 4x2 para a Raposa, com uma tarde inspirada do ex-jogador, Alex. O camisa 10 fez dois gols e deu duas assistências na partida.

Na Copa do Brasil à final foi contra o Flamengo. O primeiro jogo foi no maracanã, ficando 1x1. No Mineirão, mais um show do trio Alex, Deivid Aristizábal. Foram dois passes do meia, e gols dos dois atacantes e um do zagueiro Luizão. Apesar do gol de Fernando Baiano, nada mudou, Cruzeiro tetracampeão.

No Brasileirão, a campanha do Cruzeiro foi inesquecível. Para ter uma noção, foram 100 pontos, 72,5% de aproveitamento, 31 vitórias de 46 disputadas. Os números são incríveis, como também a distribuição de gols do elenco. Alex foi o principal artilheiro com 23 gols, tendo em segundo, Aristizábal, com 21 gols. Deivid e Mota terminaram o campeonato com 15 gols.

O último jogo do Campeonato Brasileiro de 2003 foi contra o Paysandu. A partida foi no Mineirão com um total de 73.141 pagantes. A partida acabou 2x1 para o Cruzeiro, se consagrando campeão e conquistando a emblemática tríplice coroa. Que ano para o torcedor cruzeirense.

História

Uma nova era de
um Cruzeiro vitorioso

A geração de 2010 fez o Cruzeiro ser um time vitorioso novamente. Foram quatro campeonatos Mineiro, dois Brasileiros e duas Copas do Brasil, tornando-se o maior campão do torneio.

O que fez a Raposa ser um time vitorioso, foi a consistência técnica. Dificilmente o clube perdia pontos em times abaixo na tabela e ter opções no banco em todas as competições.

Os técnicos responsáveis por esse período foram:

  • Cuca: Título mineiro de 2011;
  • Marcelo Oliveira: Dois Brasileiros e dois Campeonatos Mineiros
  • Mano Menezes: Duas Copas do Brasil e três Campeonatos Mineiros (sendo o 2019 invicto);
01/10

Ídolos do Cruzeiro

As Lendas
do Mineirão

Juan Pablo

Sorín

Sorín

O Argentino Sorín, conquistou a torcida cruzeirense com a sua raça em campo. O jogador esteve vestindo a camisa celeste nos anos de 2000 a 2002,2004, 2008 e 2009. Por muito tempo a lateral esquerda tinha um dono absoluto, o dono da raça celeste.

  • 127
    Jogos
  • Lateral Esquerdo
  • 18 Gols
  • TITULOS
  • Copa do Brasil: 2000

    Copa Sul-Minas: 2001, 2002

    Supercampeonato Mineiro: 2002

    Campeonato Mineiro: 2009

Ídolos do Cruzeiro

As Lendas
do Mineirão

Nelinho

O canhão das Américas

Nelinho é considerado o melhor lateral da história do Cruzeiro e um dos maiores do futebol mineiro. Apoiava o ataque como ninguém, e ainda se destacava pelas suas cobranças de falta, onde conseguia colocar um efeito com curvas que matava qualquer goleiro. Não é por menos que seu apelido foi dado de: "o canhão das Américas".

  • 427
    Jogos
  • Lateral Direito
  • 105 Gols
  • TÍTULOS
  • Campeonato Mineiro 1972/73/74 e 77

    Libertadores da América 1976

Ídolos do Cruzeiro

As Lendas
do Mineirão

Alex

Talento Azul

Apesar da sua primeira passagem em 2001 ter sido discreta, Alex foi "talento azul" da torcida cruzeirense na sua segunda ida ao clube. O meio campista chegou em 2002 e ficou até 2004, sendo o líder da tríplice coroa em 2003. Após a conquista, o seu nome ficou gravado na história da Raposa. Alex era um gênio, tinha uma visão de jogo diferenciada, além das boas cobranças de falta e chutes de meia distância. Dispensa comentário.

  • 108
    Jogos
  • Meio-campo
  • 64 Gols
  • TITULOS
  • Copa do Brasil 2003

    Campeonato Mineiro 2003

    Campeonato Brasileiro 2003.

Ídolos do Cruzeiro

As Lendas
do Mineirão

Fábio

Um ídolo em baixo das traves

O goleiro Fábio é por muitos um dos maiores ídolos da história do clube e o maior atualmente. Um monstro sagrado em baixo das traves. A sua principal característica é o reflexo rápido, no qual marcou a sua carreira pelas incríveis defesas. Além disso, o craque é um líder dentro de campo, impulsionando a equipe há inúmeros títulos.

  • 841
    Jogos
  • Goleiro
  • 0 Gols
  • TITULOS
  • Campeonato Brasileiro: 2013, 2014

    Copa do Brasil: 2000, 2017, 2018

    Campeonato Mineiro: 2006, 2008, 2009, 2011, 2014, 2018, 2019

    Campeonato Internacional de Verano: 2009

Ídolos do Cruzeiro

As Lendas
do Mineirão

Tostão

O Maior artilheiro do Cruzeiro

Eduardo Gonçalves de Andrade, mais conhecido como Tostão. Ele não é apenas o maior jogador da história do Cruzeiro, como também, um dos maiores da história do futebol. Com a camisa cruzeirense o "vice-rei" fez jogos geniais, em uma época que o futebol tinha o seu reinado, com o maior da história, o rei Pelé.

  • 378
    Jogos
  • Ponta e Centroavante
  • 249 Gols
  • TITULOS
  • Campeonato Brasileiro: 1966

    Campeonato Mineiro: (1965, 1966, 1967,1968 e 1969)

    Torneio Início de Minas Gerais: 1966

01/05

Mantos Inesquecíveis

Camisas Históricas

Camisa do Palestra
Itália 1921

A primeira camisa era totalmente verde, calção branco e meias verdes. Foi assim que eles estrearam no dia 03 de abril, o começo de toda uma tradição.

Camisa do Cruzeiro de 1966

A camisa ficou marcada pela conquista da Taça Brasil e 66, com esquadrão de Tostão e companhia. Em 2016, o Cruzeiro homenagearia o modelo fazendo referência no terceiro uniforme do time.

Camisa do Cruzeiro de 1976

A camisa ficou marcada pela inédita conquista do Cruzeiro na Libertadores.

Camisa do Cruzeiro de 1997

A emblemática camisa que levantou o bicampeonato da Libertadores.

Camisa do Cruzeiro de 2003

Modelo que vestiu um dos momentos mais marcantes do clube: A tríplice coroa de 2003. O modelo foi refeito em 2018, homenageando o ídolo Alex.

01/05

Escudos

EVOLUÇÃO DO ESCUDO DO CRUZEIRO

O símbolo do Cruzeiro representa a maior referência do nosso país: a constelação do Cruzeiro do Sul, símbolo máximo brasileiro. Mas o primeiro escudo do clube era em losango nas cores da bandeira Italiana, com as iniciais "PI" (Palestra Itália).

A mudança do nome e escudo em 1942, uniu a ideia do azul em homenagem ao Brasil, como também as origens italianas, no qual representava Casa de Saboia. Assim surgiu o azul nos uniformes do Cruzeiro como também em toda a sua identidade.

Escudo do Cruzeiro - 19211921
Escudo do Cruzeiro - 19271927
Escudo do Cruzeiro - 19421942
Escudo do Cruzeiro - 19591959
Escudo do Cruzeiro - 19611961
Escudo do Cruzeiro - 19961996
Escudo do Cruzeiro - 20042004
01/07

Taça RIO de 1951

Copa Libertadores da América

1976 e 1997

Copa Libertadores da América

Supercopa Sul-Americana

1991 e 1992

Copa Sul-Americana Mercosul de 1998

Recopa Sul-Americana

1991 e 1992

Campeonato Brasileiro

Copa Ouro

1991 e 1992

Copa do Brasil

Tríplice Coroa

2003

Copa dos Campeões de 2000

Campeonato Brasileiro

1966, 2003, 2013 e 2014

Torneio Rio-São Paulo

Copa do Brasil

1993, 1996, 2000, 2003, 2017 e 2018

Torneio dos Campeões Rio-São Paulo

40 campeonatos mineiro

01/08

Cadastre seu e-mail e seja o primeiro a receber novidades e ofertas do Cruzeiro